Transmissão do Coronavírus na Índia é a mais rápida do mundo

O ritmo com que a doença se espalha ao redor do país tem acelerado nas últimas semanas. Índia já é a terceira no ranking de casos confirmados.

A velocidade de transmissão do Coronavírus na Índia aumentou vertiginosamente nas últimas semanas. De acordo com a agência Bloomberg, a epidemia no país é agora a que mais cresce no mundo.

Na semana passada, um estudo feito em Nova Déli apontou que mais de 4 milhões de pessoas já foram expostas ao vírus somente na capital. Ao mesmo tempo, o reporte de casos de Covid-19 na Índia como um todo aumentou 20%.

No total, já são mais de 1,4 milhão de infectados no país asiático, conforme indica a plataforma Coronavirus Tracker, da Bloomberg. O número de mortes, nesta segunda-feira (27), chegou a 32.771.

Além disso, na segunda-feira os casos registrados de Covid-19 na Índia quase bateram um recorde: foram 50 mil novas infecções diárias.

Como resultado, o país é agora o terceiro no ranking de casos confirmados. Em primeiro lugar seguem os Estados Unidos, com 4,2 milhões de pessoas infectadas pelo Coronavírus. Logo depois vem o Brasil, que tem mais de 2,4 milhões.

 

O avanço da transmissão de Coronavírus na Índia

covid-19 na Índia
ⓒSanjay Kanojia/AFP Via Getty Images

Recentemente, os estados indianos de Maharashtra, Tamil Nadu, Andhra Pradesh e Karnataka são os que têm relatado o maior número de ocorrências.

Em uma tentativa de controlar a situação e, principalmente, frear o contágio acelerado, o Conselho Indiano de Pesquisa Médica informou que o país vem aumentando o acesso da população aos testes.

No domingo (26), por exemplo, foram realizadas cerca de 515 mil amostras. Ainda assim, a taxa de exames de Covid-19 na Índia é considerada uma das mais baixas do mundo. São apenas 11,8 testes por cada mil pessoas. Vale dizer que o Brasil não está muito longe disso: 11,93 testes por mil pessoas.

Por outro lado, os EUA têm uma taxa de 152,98 testes por mil e a Rússia, 184,34, segundo dados do Our World in Data, projeto da Universidade de Oxford, no Reino Unido.

- continue lendo -

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes