Saiba porque a expansão da energia solar deve continuar em 2021

Vamos dar a volta ao mundo e acompanhar as principais tendências recentes que influenciarão o mercado de energia solar em 2021. 

2021 mostra sinais que o crescimento acelerado da energia solar continuará forte. Apesar da pandemia da covid-19, 2020 foi um ano muito positivo para o meio ambiente e para as energias renováveis. Os volumes de investimentos mantiveram patamares elevados, sendo que novos projetos de energia renovável ao redor mundo receberam cerca 281bilhões de dólares. Já no Brasil, a energia solar teve investimentos de R$ 13 bilhões em 2020. Vamos dar a volta ao mundo e acompanhar as principais tendências recentes que influenciarão o mercado de energia solar em 2021.

 

Energias Renováveis Solar Eólica ESG
A China se comprometeu a atingir a neutralidade em carbono até 2060 (Imagem: Reuters)

 

Primeira parada: China puxará crescimento nos próximos 5 anos

Espera-se uma expansão recorde da energia solar nos próximos cinco anos na China. O anúncio do presidente Xi Jinping em setembro de que o país planeja zerar as emissões de carbono até 2060 elevou as expectativas globais para o setor.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Por outro lado, a manufatura chinesa que domina o mercado de módulos fotovoltáicos apresentou aumento de preços trimestral pela primeira vez desde 2015. Isso aconteceu devido a interrupções de fabricação e disparada do preço de vidros fotovoltaicos, devido ao maior uso de painéis bifaciais.

Segunda parada: Explosão de baterias nos EUA

A nova capacidade de armazenamento de baterias nos EUA mais que dobrou no terceiro trimestre de 2020 em relação ao segundo, de acordo com a Wood Mackenzie e a Associação de Armazenamento de Energia dos EUA. Projetos na Califórnia foram um dos principais motores do aumento.

Além disso, o setor de energia solar residencial se recuperou no final do ano, acrescentando 19 GW. Essa recuperação aconteceu após uma queda forte de 20% no segundo trimestre sob o impacto das restrições da pandemia.

Terceira parada: União Européia não fica para trás

Cerca de 40% da eletricidade na União Europeia no primeiro semestre de 2020 veio de fontes renováveis, em comparação com 34% de usinas que queimam combustíveis fósseis, de acordo com o grupo ambientalista Ember.

Além disso, a Espanha se coloca como nova potência de energia solar no continente. A eletricidade fornecida por seus parques solares com o maior potencial de energia solar da Europa cresceu mais de 60% em 2020, gerando mais de 15 mil GWh de energia. Embora a capacidade instalada da Espanha ainda seja cerca de 1/3 daquela do líder, Alemanha, sua taxa de crescimento deve ser cerca de 2x maior.

Quarta parada: Reino Unido sem carvão por mais de 2 meses

O Reino Unido ficou 67 dias sem carvão – o mais longo período sem carvão desde a Revolução Industrial – e ajudou a tornar 2020 o ano mais verde do país em sua rede elétrica. Além disso, o Reino Unido vai eliminar completamente o combustível poluente até 2025. Já que uma parte cada vez maior de sua energia vem de parques solares e eólicos.

Quinta parada: Austrália com 29% das casas com energia solar

Os altos preços da eletricidade e luz solar abundante impulsionaram a demanda por energia solar em telhados. A Austrália apresenta a positiva marca de cerca de 29% das residências equipadas com painéis. Para efeito de comparação, estima-se que o Brasil possui cerca de 0,5% de clientes residenciais atualmente se usufruindo de energia solar, seja com placas no telhado, seja com fazendas solares.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes