Saiba quem é Marcelo Queiroga, novo ministro da Saúde

É oficial: o médico cardiologista Marcelo Queiroga é o próximo a assumir o Ministério da Saúde. Ele é o quarto ministro da pasta só no governo de Jair Bolsonaro.

Já está definido que assumirá o lugar do general Eduardo Pazuello como ministro da Saúde do governo de Jair Bolsonaro. O médico Marcelo Queiroga, presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, aceitou o convite do presidente para assumir a pasta. A informação foi confirmada pelo governo nesta noite de segunda-feira, 15 de março.

Segundo Bolsonaro, a conversa com o novo ministro foi “excelente”. A declaração foi dada à imprensa que estava na porta do Palácio do Planalto. “Já o conhecia há alguns anos. Tem tudo para fazer um bom trabalho, dando continuidade em tudo o que Pazuello fez até hoje”, afirmou o presidente, que também ressaltou: “Essa política de vacinação em massa continuará em todo o Brasil.”

Quem é  Marcelo Queiroga?

Imagem de Marcelo Queiroga
Marcelo Queiroga (Foto: Sociedade Brasileira de Cardiologia)

Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Marcelo Queiroga nasceu em João Pessoa, e é formado em medicina pela Universidade Federal da Paraíba em 1988. Especializado em cardiologia, Queiroga será o quarto ministro da Saúde a assumir a pasta desde o início da pandemia da Covid-19.

Ligado a Bolsonaro, ele é declaradamente a favor do atual governo, Marcelo Queiroga chegou a ser indicado pelo presidente para ocupar a direção Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A indicação foi feita em dezembro de 2020, mas ainda não foi aprovada pelo Senado Federal.

Marcelo Queiroga assumiu a presidência da Sociedade Brasileira de Cardiologia no dia 13 de dezembro de 2019, no Rio de Janeiro, sede da Academia Nacional de Medicina. Antes disso, o médico era responsável pelo Departamento de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista do Hospital Alberto Urquiza Wanderley, em João Pessoa.

Em sua trajetória como cardiologista, Queiroga fez residência no Hospital Adventista Silvestre, no Rio, treinamento em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista na Beneficência Portuguesa de São Paulo. Ele também sempre atuou na  Associação Médica Brasileira, onde teve cargos importantes como o de presidente da Regional da Paraíba nos anos de 1998 e 1999.

O médico cardiologista assume a pasta do Ministério da Saúde em um momento crítico da pandemia no Brasil, em que o país já acumula mais de 278 mil mortes em razão da Covid, segundo dados divulgados pelo consórcio de imprensa.  Por seu histórico, o novo ministro deve dialogar com as ideias do governo de Bolsonaro.

Marcelo Queiroga foi 2º opção de Bolsonaro

Jair Bolsonaro (esquerda) e Marcelo Queiroga (direita)
Presidente Jair Bolsonaro e Marcelo Queiroga, novo ministro da Saúde (Foto: Divulgação)

Antes de Marcelo Queiroga aceitar o convite de Jair Bolsonaro, a médica goiana Ludhmila Abrahão Hajjar, especialista em clínica médica, foi a primeira opção do presidente. No entanto, Ludhmila não aceitou o convite e alegou “motivos técnicos”. Mas segundo foi divulgado pelo site Poder360, a médica não concordava com vários critérios impostos por Bolsonaro, como, por exemplo, a indicação do uso de cloroquina e ir contra as medidas restritivas para conter a disseminação da Covid-19.

Declaradamente contra o discurso negacionista, Ludhmila Hajjar, também foi questionada sobre outros assuntos que não desrespeitam à saúde. Entre eles seria o porte de armar e a legalização do aborto, temas considerados importantes para o governo de Bolsonaro. Quem esteve presente na reunião foi Eduardo Bolsonaro, deputado federal do PSL e filho do presidente, Eduardo Pazuello e o próprio presidente Bolsonaro.

Ainda de acordo com o Poder360, Jair Bolsonaro teria dito à cardiologista: “Você não vai fazer lockdown no Nordeste para me foder e eu depois perder a eleição, né?”. Nesta segunda-feira (15/03) Ludhmila Hajjar confirmou o convite do presidente em entrevista à CNN Brasil e TV Globo, e oficializou dizendo que não aceitou assumir o Ministério da Saúde.

O nome do médico Marcelo Queiroga, no entanto, estava sendo especulado pela mídia. Outro nome que estava na lista de Bolsonaro era o deputado Dr. Luizinho (PP-RJ).

Saída de Pazuello não foi decisão pessoal

vacinação covid
Eduardo Pazuello (Foto: José Dias/PR)

O general Eduardo Pazuello ficou apenas 10 meses na frente do ministério da Saúde. Seu desligamento foi confirmado nesta segunda-feira, 15 de março, e antes do seu pronunciamento em coletiva de imprensa, estava sendo especulado que Pazuello teria pedido para deixar o ministério. Entretanto, ele mesmo negou a informação e declarou que a decisão foi de Bolsonaro.

Pazuello reforçou que não estava doente e que não tinha pedido para deixar o cargo. No entanto, aceitou bem a decisão do presidente. Ele chegou a comentar sobre seu encontro com Ludhmila Hajjar, mas não falou sobre Marcelo Queiroga.

Notícias de política no DCI

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes