Publicado em

Analistas de mercado ouvidos pelo Ministério da Economia elevaram a previsão para o déficit fiscal deste ano. De acordo com o boletim Prisma Fiscal deste mês, divulgado nesta quinta-feira, 12, pela Secretaria de Política Econômica (SPE) da pasta, a mediana das previsões para 2019 passou de um rombo de R$ 103,217 bilhões, previsto em agosto, para um déficit de R$ 104,068 bilhões. Mesmo com a piora nas previsões, o valor ainda está abaixo da meta de 2019, que permite um déficit de R$ 139 bilhões.

Para 2020, os analistas elevaram levemente a projeção de resultado negativo de R$ 70 bilhões para R$ 70,875 bilhões, segundo o boletim.

Com relação à arrecadação das receitas federais em 2019, o Prisma deste mês mostra certa estabilidade nas projeções do mercado. A estimativa aponta para uma arrecadação de R$ 1,558 trilhão neste ano. Para 2020, a projeção também se manteve em R$ 1,673 trilhão.

A estimativa para a receita líquida do governo central neste ano passou de R$ 1,307 trilhão para R$ 1,300 trilhão. Já para 2020, as projeções do mercado também caíram de R$ 1,398 trilhão para R$ 1,391 trilhão.

Por outro lado, a projeção de despesas totais do governo central também caiu. Para este ano passou de R$ 1,412 trilhão para R$ 1,408 trilhão; e para 2020, manteve-se em R$ 1,473 trilhão.

A mediana das projeções dos analistas do Prisma para a Dívida Bruta do Governo Geral ao fim de 2019 manteve-se em 78,50% do PIB. Para 2020, a estimativa, que estava em 80,00% do PIB, variou para 79,70% do PIB no relatório divulgado nesta quinta-feira.

Curto Prazo

O Prisma também trouxe as projeções fiscais para este mês levemente piores do que as anteriores. A projeção para o mês de setembro aponta para um déficit primário do governo central de R$ 22,422 bilhões ante o resultado negativo de R$ 22,392 previsto em agosto.

Para outubro, a projeção passou de superávit de R$ 9,509 bilhões para um superávit de R$ 9,660 bilhões. Segundo o Prisma, em novembro o governo central deverá ter um déficit de R$ 15,543 bilhões ante R$ 15,716 bilhões previstos no mês anterior.

O boletim também projeta uma arrecadação das receitas federais de R$ 117,836 bilhões em setembro, ante uma previsão de arrecadação de R$ 117,924 bilhões feita em agosto. Para outubro, a previsão de arrecadação subiu de R$ 138,855 bilhões para R$ 139,055 bilhões. Já para novembro, a estimativa aponta uma arrecadação de R$ 127,961 bilhões ante uma previsão de R$ 127,723 bilhões feita anteriormente.