Publicado em

Uma pesquisa realizada junto aos executivos de finanças das empresas associadas ao Instituto Brasileiro de Executivo de Finanças (Ibef) Campinas apontou que 89% dos entrevistados acreditam na melhora da situação econômica do País em função do novo governo em 2019.

Para o presidente do Ibef-Campinas, Marcos Ebert, essa expectativa positiva dos executivos de finanças está diretamente ligada ao fato de que o futuro governo tem uma preocupação de cuidar de reformas, como a tributária.

O entrevistado também destacou que os executivos de finanças estão vendo com bons olhos a escolha de membros da área econômica do futuro governo, com um perfil mais técnico.

“São pessoas que entendem do mercado. Percebi nesta pesquisa um clima de confiança, que o diagnóstico do governo, principalmente da parte econômica do Paulo Guedes [futuro ministro da Fazenda], que é alguém que tem um diagnóstico bom e sabe o que vai fazer. Eu vejo que essa é a expectativa atual do nosso associado”, afirmou Ebert.

Para o diretor de finanças para a América Latina da Kion Group, Ricardo Eguchi, existe uma perspectiva muito importante e clara de uma melhora, principalmente no cenário macroeconômico.

“Tem uma questão das reformas que a gente vai ver como vai se comportar e talvez os próximos seis meses vão ser decisórios. Eu acho que tem uma demanda reprimida desses anos de não crescimento. Com otimismo e o grau de confiança na econômica, os investimentos vão sair. Isso é muito positivo”, disse.

Números

Ainda de acordo com a pesquisa, 51% dos executivos consultados estimaram que o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, em 2019, terá um crescimento superior a 2%. Para outros 33%, a alta ficará entre 1% e 2%. Para 16%, entre zero e 1%.

A manutenção da política atual de metas de inflação adotadas pelo Banco Central (BC) foi considerada positiva para 75% dos executivos. Consideraram negativa, 17% e neutra, 8%.

Na questão das reformas prioritárias do próximo governo, 55% dos executivos apontaram a da previdência, 32% indicaram a tributária e 13% deram destaque para a política.

Sobre os fatores na visão dos empresários que mais impactarão os negócios em 2019, as respostas foram: guerra comercial entre China e Estados Unidos, com 40%; elevação mais rápida dos juros, com 30%; política externa, com 21%; e crise da Argentina, com 9%.

O levantamento foi respondido por 75% dos 400 empresários associados ao Ibef Campinas.