Publicado em

O setor aeroespacial é pródigo na criação de novas tecnologias que têm tornado o ramo cada vez mais seguro. Voar já não é mais uma aventura há muito tempo, graças às metodologias desenvolvidas pelos especialistas aeronáuticos durante décadas. Diante das adversidades enfrentadas pelos profissionais dessa área, uma vasta literatura foi criada e as ferramentas se transformaram em instrumentos para a segurança dos voos.

O melhor de tudo isso é que essa mesma metodologia pode ser aplicada em diversas outras situações, em qualquer empresa, de qualquer porte, inclusive no dia a dia, como para organizar uma confraternização entre amigos. Isso vai ajudar a reduzir drasticamente as adversidades que as pessoas enfrentam no cotidiano ao longo da vida.

Já as empresas encontram no conhecimento de gestão de risco um instrumento imprescindível para a preservação e avanço dos negócios. Porém, muitas corporações questionam os altos custos e os resultados incertos da implantação de um sistema desses. Mas, a realidade mostra que investimentos de baixo custo são suficientes para a criação de um sistema de gestão de risco em uma organização, permitindo a adoção de práticas simples – baseadas em ferramentas estabelecidas e disponíveis gratuitamente – e garantia considerável de avanço operacional.

Os resultados poderão ser mensurados pelas corporações como nos exemplos de afastamentos por acidentes de trabalho, ou a redução nos incidentes e acidentes aeronáuticos. Sem sombra de dúvida, o grande objetivo será alcançado, que são os reflexos positivos no balanço da empresa, permitindo a redução dos prêmios de seguro, aumento da produtividade e redução de gastos nos processos operacionais.

O executivo ou o empreendedor deve ver a gestão de risco como solução distante do imediatismo, mas com resultados que serão alcançados no decorrer dos meses e anos, assim que a cultura de segurança se fortalecer na corporação.

Para melhor entendimento sobre a gestão de risco, lembramos que ela deve ser vista como uma maratona e não como uma corrida. Por isso, precisa ser incorporada ao longo do tempo e o exemplo deve partir de todos, com comprometimento e honestidade. Com certeza, ela trará melhores resultados para as empresas, que ficarão mais seguras e eficientes.

Shailon Ian é presidente da Vinci Aeronáutica 

edmir@libris.com.br