Publicado em

A Light obteve uma redução média de 15% no tempo de interrupção no fornecimento de energia - o que representa cerca de 30 minutos menos a cada ocorrência - com a implementação de um sistema automático para religadores, o chamado self-healing. Com isso, em cerca de dois anos, a empresa teve uma redução da compensação financeira em torno de 40%, decorrente da menor quantidade de clientes impactados nas ocorrências. A expectativa é que nos próximos anos a redução do tempo de interrupção chegue a 30%.

A implementação do sistema, feita em parceria com a Schneider Electric, foi iniciada em 2015, quando foram realizados dois projetos pilotos de self-healing. Com os resultados positivos, a companhia decidiu ampliar a implementação da solução para toda sua área de concessão, visando atuar em mais de 200 religadores e chaves.

"Esse é um dos caminhos para se buscar o atendimento às exigências crescentes dos órgãos reguladores e clientes. Dessa forma, foi necessário adequar a filosofia proposta à realidade da Light, e, hoje, já estamos colhendo alguns dos benefícios da implantação desse sistema", explica Sandro Lanes, engenheiro responsável pela implantação do projeto na Light.

Além de causar problemas para os consumidores, o excesso de tempo de interrupção no fornecimento pode resultar em custos adicionais para a distribuidora, já que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) prevê índices de qualidade específicos na área de concessão de cada empresa que, se não forem respeitados, geram ressarcimentos aos consumidores.

Ao final de setembro de 2017, o índice de Duração Equivalente de interrupção por unidade Consumidora (DEC) da Light somava 10,29 horas de interrupção no acumulado em 12 meses, abaixo dos 13,32 horas anotado ao final de 2015. Em relatório de desempenho referente ao terceiro trimestre, a companhia havia destacado que o número era abaixo do estabelecido pela Aneel para 2017, de 11,39 horas. A companhia também vem reduzindo a frequência equivalente de interrupção por unidade consumidora (FEC), que encerrou setembro em 5,54 vezes, ante as 6,44 vezes de dezembro de 2015 e abaixo do limite estabelecido pela Aneel, de 5,99 vezes.

A Light possui 27 esquemas de self-healing, utilizando 89 religadores da Schneider distribuídos estrategicamente por toda sua área de concessão. São eles que permitem restringir os impactos negativos gerados pelas interrupções na média tensão. Além dos religadores, o projeto inclui uma solução que atribui inteligência aos equipamentos, fazendo com que eles se comuniquem com a central e coletem dados sobre o comportamento dos disjuntores de saída dos alimentadores das subestações, permitindo minimizar os tempos de atuação para reparo de rede.