Publicado em

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira uma nova fase da Operação Spoofing, que investiga a invasão de dispositivos eletrônicos de autoridades e a prática de crimes cibernéticos, informou em nota a corporação.

A ação envolveu a busca e apreensão em quatro imóveis ligados a organização criminosa investigada e a prisão temporária de dois suspeitos, segundo uma fonte envolvida diretamente na apuração.

Um dos detidos, segundo a fonte, foi um programador que manteve contato com Walter Delgatti, o principal suspeito de invadir aplicativo do celular do ex-juiz Lava Jato e ministro da Justiça, Sergio Moro, e de procuradores da força-tarefa da operação.

Em nota, a PF disse que cerca de 30 policiais federais participaram das diligências, que foram cumpridas em São Paulo (SP), Ribeirão Preto (SP) e Brasília.

A primeira fase da Spoofing foi deflagrada no final de julho, na esteira da crise da divulgação da troca de mensagens hackeadas supostamente atribuídas a Moro e a procuradores da Lava Jato.