Publicado em

Por Hyonhee Shin

SEUL (Reuters) - O líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, convidou o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a visitar Pyongyang em uma carta enviada em agosto, em meio a um impasse nas conversas sobre a desnuclearização, disse um jornal sul-coreano nesta segunda-feira, citando fontes diplomáticas.

Na carta enviada na terceira semana de agosto, Kim falou de sua "disposição" para uma terceira cúpula e fez um convite para Trump visitar a capital norte-coreana, Pyongyang, disse o jornal Joongang Ilbo, citando uma fonte não identificada.

No dia 9 de agosto, Trump disse ter recebido uma "carta linda" de Kim, mas autoridades dos EUA não disseram nada sobre uma segunda correspondência no mesmo mês.

Trump e Kim se encontraram três vezes desde junho do ano passado para debater maneiras para resolver uma crise a respeito dos programas nuclear e de mísseis da Coreia do Norte, mas quase não se viu um progresso substantivo.

Os dois primeiros encontros foram cúpulas formais, a segunda da quais, ocorrida no Vietnã em fevereiro, fracassou porque os dois líderes não encontraram um meio-termo entre as exigências norte-americanas de uma desnuclearização da Coreia do Norte e a demanda norte-coreana de alívio nas sanções.

Ele se reuniram uma terceira vez em 30 de junho na Zona Desmilitarizada entre as duas Coreias e concordaram em retomar conversas de trabalho, mas estas não aconteceram.

Desde a conversa de junho, a Coreia do Norte testou projéteis de curto alcance diversas vezes.

A Casa Branca, o Departamento de Estado dos EUA e a missão da Coreia do Norte na ONU não responderam de imediato a pedidos de comentário sobre a reportagem.

Um diretor-geral de assuntos dos EUA do Ministério das Relações Exteriores norte-coreano não identificado disse nesta segunda-feira que espera que uma "boa reunião" com autoridades de trabalho dos EUA aconteça "em algumas semanas".

Mas vai depender de Washington a reunião levar a uma "crise ou uma chance", disse o funcionário, pedindo uma abordagem mais flexível.

"O debate da desnuclearização pode ser possível quando ameaças e obstáculos que põem em risco nossa segurança de sistemas e obstruem nosso desenvolvimento forem removidos claramente e sem nenhuma dúvida", disse ele em um comunicado publicado pela KCNA, a agência de notícias oficial da Coreia do Norte.

(Por Jack Kim e Hyonhee Shin; Reportagem adicional de Michelle Nichols, em Nova York, e Arshad Mohammed, em Washington)