Publicado em

O grupo Carrefour está preparando a expansão de sua rede no Nordeste. A companhia negocia a aquisição de três lojas da rede Hiper Mercantil , presente em Fortaleza (CE) com oito hipermercados. A negociação de uma das lojas está quase concluída e a compra deve ser anunciada em breve. Em cumprimento a determinações legais, as duas empresas já anunciaram à Secretaria de Direito Econômico (SDE), do Ministério da Justiça, sobre a intenção de compra e venda das três unidades.A Mercantil confirma que finaliza a venda de sua loja de número 3, situada na avenida Barão de Studart, bairro de Aldeota. "Aguardamos a consolidação do negócio. Mas, enquanto não há pagamento, a negociação não pode ser dada como concretizada", afirma Mara Ximenes, diretora da rede nordestina.De acordo com fontes do varejo cearense, o hipermercado - de dois andares - está sendo reformado e deve ser reaberto até o final do ano sob gestão do Carrefour. A unidade agrega, entre outros, serviços bancários, farmácia e lavanderia, além da área do hipermercado.Ontem, a direção da Mercantil São José S.A. , controladora da rede Mercantil, esteve reunida com o Carrefour para dar seqüência aos negócios.A negociação ilustra o movimento de expansão das grandes redes supermercadistas no Nordeste brasileiro. Após a compra da rede nordestina Bompreço pelo Wal-Mart , em 2004, o Pão de Açúcar e o Carrefour passaram a concentrar largos investimentos na região.Só neste ano, o Carrefour inaugurou dois hipermercados em João Pessoa (PB) e na mesma Fortaleza em que está prestes a ter outra unidade. Atualmente, o Carrefour tem cinco unidades em todo Nordeste.Acompanhando o mercado, o Pão de Açúcar abriu hipermercados Extra em Aracaju e Natal, o que representou a chegada da companhia em Sergipe e Rio Grande do Norte. O grupo também tem previsto para breve inaugurações da bandeira em Natal (RN) e Maceió (AL).No Ceará, onde o Carrefour reforça sua posição, a companhia de Abilio Diniz tem uma de suas principais operações, com 23 supermercados Pão de Açúcar e duas lojas Extra. Em 2005, o grupo investiu na inauguração de dois Pão de Açúcar em Fortaleza. O Wal-Mart tem só duas lojas do Bompreço na capital cearense."É uma luta de tubarão contra tubarão. Aqui em Fortaleza, o Carrefour fecha a compra de uma loja do Hiper Mercantil e pode comprar mais duas", diz uma fonte do varejo cearense, em off.Enquanto isso, o Wal-Mart reforma lojas Bompreço e aumenta a rede. Neste ano, o grupo norte-americano abriu um supermercado em Teresina (PI).Para 2006, parte dos R$ 600 milhões previstos para inauguração de lojas do Wal-Mart irá para a construção de hipermercados em Olinda (PE) e Maceió (AL)."O Nordeste não tem a mesma disputa vista no Sul ou Sudeste, mas está cada vez mais competitivo", disse Vicente Trius, presidente do Wal-Mart do Brasil, em coletiva de imprensa realizada na semana passada.A percepção de Trius é comum dentro do setor. "A concorrência ficou mais acirrada, o que forçou as redes a investirem mais. Hoje, as lojas estão muito mais qualificadas que há poucos anos", diz Severino Ramalho Neto, diretor do Mercadinho São Luiz , que tem 8 supermercados na capital cearense.RegionaisO acirramento da concorrência no Nordeste tem a contribuição das tradicionais redes regionais, que também investem frente ao avanço dos gigantes. Algumas delas sofrem constante assédio das grandes companhias sediadas no Sudeste, como tem ocorrido no Nordestão , empresa de seis lojas do Rio Grande do Norte.Entre as redes estabelecidas há décadas na região, a G.Barbosa é uma das mais conhecidas e fortes. A cadeia - com 33 lojas em Sergipe e Bahia e receita bruta anual superior a R$ 1 bilhão - voltou a investir após ser incorporada pelo fundo de investimento norte-americano Acon . Em 2005, a G.Barbosa inaugurou um supermercado em Feira de Santana (BA) e vai inaugurar em dezembro um hipermercado em Aracaju (SE).