Publicado em

A intenção do Grupo GPA de aumentar os investimentos em até R$ 200 milhões em 2019 (totalizando cerca de R$ 1,8 bilhão) indica um otimismo com a recuperação do consumo no ano que vem. Ainda assim, é apenas para 2020 que a empresa projeta um “grande crescimento.”

“O ano que vem será importante e bem mais positivo que 2018 – tanto que vamos aumentar os investimentos. Mas tendo uma retomada na economia na direção que esperamos, o grande crescimento será em 2020”, afirmou o CEO do Grupo GPA, Peter Estermann, durante evento para imprensa realizado ontem em São Paulo.

Na ocasião, Estermann afirmou que o aporte no ano que vem retornará ao “patamar dos nossos melhores períodos”, ultrapassando o R$ 1,6 bilhão que deve ser consolidado ao fim de 2018 e o capex médio de R$ 1,4 bilhão nos últimos quatro anos.

Os principais focos do recurso devem ser os segmentos premium e de atacarejo. No caso deste, o GPA sinalizou que pretende abrir de 15 a 20 novas unidades da marca Assaí por ano até 2021.

Para Estermann, ainda que a migração do consumidor para o atacarejo seja efeito da crise econômica, segue existindo espaço para a consolidação do modelo no País. Por outro lado, a estratégia de conversão dos hipermercados da rede em unidades do Assaí está praticamente encerrado; no último um ano e meio, 19 lojas passaram por tal processo.

No segmento premium, o Grupo GPA vê espaço para pelo menos 100 novas lojas do Pão de Açúcar ao longo dos próximos anos; os primeiros passos serão dados em 2019 a partir da abertura de cinco a dez novas unidades da marca. Além disso, será mantido um ritmo forte de adequação das lojas existentes para um novo conceito (chamado de geração 7). Já no formato Minuto Pão de Açúcar, 10 novas lojas estão previstas para ano que vem.

No caso da conversão dos supermercados da rede para as bandeiras Mercado Extra e Compre Bem, a expectativa é encerrar 2019 com cerca de 100 pontos de venda já adaptados. Ao longo de 2018, o GPA converteu 36 lojas para as duas marcas, em uma estratégia para reter consumidores das classes C e D.

Não está nos planos da companhia a abertura de novas unidades de hipermercados em 2019, bem como a inauguração de unidades de minimercados da marca Extra. “Queremos ser assertivos e estamos pegando a confiança necessária para [expandir os minimercados] em 2020”, indicou o CEO.

No caso dos hipermercados, porém, há a previsão de 30 lojas ganhando atribuições de hub logístico no ano que vem. Dessa forma, as 70 lojas do grupo já inseridas na estratégia de entrega ao consumidor e suprimento de lojas próximas devem se tornar 140.

Marca própria

Outra sinalização do grupo foi o desejo de encerrar 2020 com os produtos de marca própria representando 20% do valor faturado pelo GPA.

Em 2018, a representatividade dessa categoria correspondeu a 10%, além de cerca de 13% do volume de produtos comercializados. A importância da marca própria no tíquete médio também cresceu, passando de 18% em 2017 para 23,4% neste ano.