Publicado em

A fim de acelerar o processo de transformação digital e conhecer melhor o perfil de consumo dos usuários, o Grupo GPA anunciou a aquisição do aplicativo de entregas James Delivery. Em três anos, a perspectiva é de crescimento “exponencial” na integração entre canais físicos e online.

“Um dos fatores mais importantes desta aquisição é o conhecimento a respeito do nosso cliente. Com um superapp como este, conseguimos ampliar nossos programas de fidelidade por meio de uma integração de sistemas”, afirmou o CEO do Grupo GPA, Peter Estermann.

Sem revelar os valores da compra, o executivo conta que, no ano que vem, o grande desafio é fazer a transição do mundo físico do varejo alimentar para dentro da plataforma do James Delivery e, deste modo, ganhar escalabilidade de forma rápida dos serviços aos usuários.

“Numa grande organização, temos todas as etapas a serem cumpridas e que normalmente leva mais tempo. Então, com a agilidade deles [do aplicativo adquirido], a velocidade na tomada de decisão é muito maior”, destacou Estermann.

Ainda de acordo com o executivo, nos próximos três anos, o êxito dessa parceria será avaliado por meio do alcance de metas – as quais não foram divulgadas especificamente. Caso tais objetivos não sejam alcançados, o contrato entre as partes será revisto.

“Nossa expectativa é que a gente [GPA e James Delivery] fique junto durante muito tempo, porque temos espaço para crescer. Esperamos que esse trabalho conjunto seja produtivo tanto quanto esses últimos dois meses de negociação”, declarou o CEO, destacando que o piloto da iniciativa deve começar em Curitiba e Balneário Camboriú. O rollout da parceria para outras cidades ocorrerá durante 2019.

“Pensar em uma plataforma que integre o varejo inteiro. Usando as nossas fortalezas do GPA em um superapp: logística, escala de compra, serviços financeiros, financiamento e entregas de última milha”, complementou Estermann.

Ao adquirir 100% da startup de entregas, o GPA deixará aos poucos a parceria que tem com outra empresa do mesmo ramo, a Rappi. “Essa parceria vai diminuir ao longo do tempo no formato que ela existe hoje. Não temos nenhuma limitação em ter parceria com os superapps desde que isso se alinhe com a nossa estratégia”, afirmou Estermann.

Leia também:

Brasileiras entram na onda das startups que fazem delivery de tudo