Publicado em

SÃO PAULO - Se a missão de vender ou comprar um carro usado pode ser uma dor de cabeça para o proprietário e o comprador, a proposta da Car4Sale é simplificar essa negociação, torná-la rápida e dar segurança às partes. A startup de Goiânia criou uma plataforma que aproxima as duas pontas e, por meio de parcerias, checa a documentação e providencia os trâmites para vistoria, pagamento e entrega do veículo.



O uso do aplicativo é gratuito, sem mensalidade ou anuidade, exceto uma comissão sobre os negócios efetivamente fechados pela plataforma. "Não há taxas. O cliente utiliza toda a plataforma de forma gratuita e só paga se vender o veículo", diz o fundador, Daniel Corrêa. A taxa é de 0,5% sobre o valor da venda.



A plataforma está em operação há apenas seis meses, mas o empreendedor já tinha experiência nesse mercado. Ele trabalhava em uma concessionária e via o desconforto dos proprietários que queriam vender um usado. Além de receber menos do que o valor de tabela, eles não sabiam por quanto a concessionária revenderia seu veículo. "O cliente ficava decepcionado ao vender o carro, sentia que tinha alguma coisa oculta", diz.



Vender diretamente para outra pessoa física também pode gerar medo de golpe, enquanto o comprador teme alguma pendência nos documentos. Nas feiras presenciais ou em sites já consolidados de compra e venda de veículos, além de taxas ou mensalidade, a documentação e o pagamento ficam sob responsabilidade dos envolvidos na negociação, e não da plataforma, aponta Corrêa.



No celular



Apesar de ter um site, a plataforma da Car4Sale só está disponível  para dispositivos móveis, pelo aplicativo de mesmo nome. Depois de realizar o cadastro, o interessado pode adicionar uma oferta com fotos e informações sobre seu veículo, no caso de uma venda, ou observar as opções disponíveis e fazer lances, se seu objetivo é comprar. Uma vez que uma oferta é aceita, a startup passa a intermediar o trâmite restante.



Corrêa diz que a startup tem parcerias com vistoriadoras, despachantes e transportadoras em vários estados, para agilizar a operação. "Todo o processo costuma durar menos de uma semana", afirma. Segundo o fundador, um carro que saiu do Maranhão chegou à região Sul em quatro dias e, por conta das parcerias com transportadoras, o frete saiu por R$ 400.



O valor de cada transação fica congelado numa conta vinculada à PagSeguro enquanto a operação não é concluída. A vistoria verifica se o carro está nas condições apresentadas pelo vendedor no aplicativo, enquanto o despachante checa se os documentos estão em ordem. Caso ocorra algum problema nesse intervalo, o comprador recebe a quantia de volta e a negociação é encerrada.



O fundador diz ter se surpreendido com a rápida aceitação do mercado. O plano era chegar a uma média de 200 veículos vendidos por mês só em 2018, mas o número já foi alcançado, afirma. Agora, a meta é atingir 500 carros transacionados mensalmente até meados de 2017, com um faturamento bruto entre R$ 12 milhões e R$ 15 milhões.