Publicado em

O Carrefour confirmou ontem a compra das dez lojas dos Hipermercados Big no Estado de São Paulo, por R$ 317 milhões. O grupo português Sonae havia manifestado dois anos atrás interesse em sair do varejo paulista e concentrar as suas operações no Sul, mas foi só ontem que o Carrefour admitiu que o negócio foi concluído, depois de negar por semanas seguidas. As empresas assinaram um termo de aquisição dos dez hipermercados Big no Estado de São Paulo. As dez lojas faturaram R$ 579 milhões em 2004.Com a aquisição o Carrefour se fortalece na briga pelo consumidor, principalmente da Grande São Paulo, contra o Pão de Açúcar , seu principal concorrente, e também contra o Wal-Mart . A rede passará a 35 hipermercados na região da Grande São Paulo, 36 contando com a loja de Santos, no litoral, e assume a liderança, pelo menos em número de lojas, na região. É mais que as 30 unidades do Extra Hipermercados , do arqui-rival Pão de Açúcar, na Grande São Paulo e Santos.De acordo com João Carlos de Oliveira, presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), foi um bom negócio, para o Sonae e para o Carrefour. "Normalmente, o preço de uma loja fica em torno de 30% a 35% do seu faturamento anual. O Carrefour pagou mais de 50% pelas lojas Big", diz Oliveira. Contudo, ele informa que as lojas devem estar aquém do seu potencial, até porque o Sonae há dois anos não queria mais operar em São Paulo, mas apenas na Região Sul."Sem contar que a bandeira Carrefour é bem mais forte que a Big na região, só isso já incrementaria as vendas".Segundo Oliveira, numa análise linear, o faturamento de cada uma das unidades vendidas fica em torno de R$ 5 milhões ao mês. "Com o Carrefour à frente, essas lojas devem elevar em 30% ou 40% sua receita. Com esse crescimento, o valor pago pelo Carrefour na compra das lojas estaria em linha com os 30% ou 35% da receita anual pagos nessas aquisições". Para o presidente da entidade, o insucesso do Big no mercado paulista se deveu à forte concorrência do próprio Carrefour e do Pão de Açúcar.Sobre uma possível compra das lojas do Carrefour no Sul do País pelo Sonae, Oliveira declarou: "Acho difícil, mas não impossível". O Carrefour descartou totalmente essa possibilidade. O Carrefour está presente em dois Estados no Sul: Rio Grande do Sul e Paraná.O Carrefour tem atualmente 86 hipermercados no País, nove dos quais no Sul: quatro no Paraná e cinco no Rio Grande do Sul. Com a aquisição, passa a 96 hipermercados no Brasil, mais 97 supermercados Champion e 207 mini-mercados Dia%.O presidente da Abras ainda diz não acreditar que o mercado esteja se concentrando nas mãos dos três maiores grupos, apesar das aquisições que Pão de Açúcar e Wal-Mart fizeram em 2004 e 2005."Trata-se de uma aquisição pontual. O ranking Abras mostra que o crescimento do 21º ao 300º é maior do que entre as 20 maiores empresas supermercadistas".Segundo informações do Carrefour, as dez lojas Big recém-compradas em São Paulo continuam a funcionar normalmente e a passagem para a bandeira Carrefour será rápida - até o final do mês, as lojas já terão o novo layout do grupo francês. Sete das lojas estão na cidade de São Paulo, algumas muito próximas a lojas já existentes do Carrefour. Elas ficam nos bairros de São Miguel Paulista, Ipiranga, Tatuapé, Pirituba, Casa Verde, Tucuruvi e Morumbi.Há duas lojas nos municípios de Santo André e Guarulhos, e uma em Santos. Segundo o Carrefour, as lojas serão mantidas, bem como os 2.700 funcionários do Big.O Carrefour faturou R$ 12,1 bilhões em 2004. O Pão de Açúcar faturou R$ 15,4 bilhões e o Wal-Mart, R$ 6,1 bilhões, no ano passado.Com a aquisição, o Carrefour passa a 36 hipermercados na região, ante 30 do Extra, o principal rival