Publicado em

SÃO PAULO - A RadioSparx é uma empresa B2B (business to business) de licenciamento musical que permite aos seus clientes utilizar música ambiente em seus estabelecimentos sem necessidade de pagamento mensal ao Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad), órgão que centraliza a arrecadação e a distribuição de direitos autorais.



A startup fornece uma plataforma em streaming, similar ao Spotify, com acervo superior a 400 mil canções e permite aos clientes economizar até 90% da taxa paga ao órgão.



Operando há cerca de cinco anos nos Estados Unidos, a empresa iniciou suas atividades no Brasil em agosto de 2015, após o músico Eduardo Di Napoli Bermúdez passar um curto período se apresentando em bares e restaurantes na costa oeste americana. Diante das dificuldades de atuar como profissional no meio musical, ele se indagou sobre como os artistas ganham em cima de suas composições. Ao pesquisar mais sobre o assunto, acabou conhecendo a RadioSparx e comprando o direito de marca para trazê-la ao País.



"Não havia uma ideia similar a essa no Brasil e logo pensei que a proposta seria ótima, atingindo, inclusive, o micro e pequeno empreendedor", explica Bermúdez, sócio-diretor da empresa. "Oferecemos uma alternativa para o empresário que precisa de uma música ambiente em seu estabelecimento, mas não quer pagar uma taxa absurda ao Ecad", diz.



Administrado por nove associações de músicos e compositores, o Ecad utiliza como parâmetro de cobrança a Unidade de Direito Autoral (UDA) para calcular o valor a ser pago pelo estabelecimento. O valor atual da UDA, reajustado em julho, é de R$ 71,45.



A plataforma streaming negocia a reprodução das músicas diretamente com os artistas, não sendo necessário estar filiado a nenhuma associação filiadas ao Ecad. Os músicos ficam com 20% de cada contrato fechado com alguma empresa. O sistema conta com cerca de 6 mil artistas cadastrados e 5 mil novas composições registradas mensalmente.



De acordo com Bermúdez, a empresa mantém um bom relacionamento com o Ecad. "Nosso catalogo é licenciado e nosso cliente avisa (ao Ecad) que está usando nosso serviço, caso seja cobrado. De qualquer forma, enviamos um documento ao Ecad para que não haja cobrança nem de nossos artistas e nem dos nossos clientes", afirma.



Para a empresa utilizar o sistema da RadioSparx, é necessário pagar uma mensalidade no valor de R$ 74,95. Planos mais longos, como o trimestral (R$ 190,95) e o anual (R$ 674,55), também podem ser adquiridos.



Com seu próprio login e senha, o cliente terá acesso ao catálogo da empresa e poderá gerenciar os gêneros que deseja reproduzir, montar suas playlists e inserir anúncios na programação. Caso a empresa deseje, a RadioSparx também oferece um serviço à parte de produção de vinhetas e propagandas.



"Muitos estabelecimentos usam rádio FM ou pendrive com várias músicas para seu estabelecimento e são multados abusivamente por não conhecer a lei. Queremos ensinar aos empresários que eles podem ter uma alternativa legal, em todos os sentidos", afirma o sócio-diretor da empresa, que opera em cerca de mil pontos no País e em mais de 10 mil no mundo todo.



Além da sede norte-americana e da brasileira, localizada em Porto Alegre, a RadioSparx também tem escritório na Turquia. A plataforma é usada por clientes como Nike, Mc Donald's e Ralph Lauren em mais de 60 países e fatura U$1 milhão por ano mundialmente.