Serviços
06/01/2017 - 13h48 | Atualizado em 06/01/2017 - 14h00

Correios avalia venda de ativos não essenciais para ajudar fechar contas no azul em 2017, diz presidente

Estão na lista diversos imóveis em Brasília e os edifícios-sede da companhia em São Paulo e no Rio de Janeiro

Correios avalia venda de ativos não essenciais para ajudar fechar contas no azul em 2017, diz presidente
Correios avalia venda de ativos não essenciais para ajudar fechar contas no azul em 2017, diz presidente
Foto: Estadão Conteúdo

SÃO PAULO - A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) planeja se desfazer de ativos não essenciais para evitar fechar de novo com as contas no vermelho em 2017, após ter tido prejuízo de cerca de 2 bilhões de reais no ano passado, disse o presidente da companhia, Guilherme Campos.

"Já há algumas medidas, como o PDI (Programa de Demissão Incentivada, o reajuste de algumas tarifas de serviços", disse Campos em entrevista à Reuters. "Mas virão outras."

Entre os ativos que estão sendo avaliados para venda estão diversos imóveis, incluindo o chamado terreno da universidade, em Brasília, e os edifícios-sede da companhia em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Essas medidas devem vir após o PDI, que deve ser oferecido a cerca de 14 mil dos 117,5 mil empregados da companhia. O programa deve ser aberto em até duas semanas. Com a adesão de cerca de 8 mil funcionários, os Correios devem economizar de 700 milhões a 1 bilhão de reais por ano, disse.

Após ter tido um prejuízo de 2,1 bilhões de reais em 2015, a companhia anunciou em março passado um plano para economizar pelo menos 1,6 bilhão em 2016.

Para Campos, que assumiu em junho, agora mesmo as demissões incentivadas e a elevação de tarifas para envio de cartas e telegramas, que respondem por mais de metade do faturamento da empresa, não serão o bastante para reverter o quadro neste ano.

"São medidas necessárias, mas não suficientes", adicionou.

Além das vendas de ativos, a estatal também avalia medidas para ampliar suas receitas, como a expansão de sua rede de franquias e a oferta de mais serviços.

No ano passado, os Correios tiveram um faturamento de cerca de 20 bilhões de reais, disse o executivo, o que representa uma alta superior a 17 por cento em relação a 2015.

Uma das iniciativas para reforçar as receitas, disse Campos, deve ser o envio de medicamentos pelo sistema público de saúde. O serviço, no entanto, ainda depende de um acerto final com o Ministério da Saúde.

Em outra frente, os Correios avaliam uma parceria com uma companhia aérea, especialmente para o serviço de entregas de encomendas expressas.

"Estamos procurando alternativas para o transporte aéreo, que está muito ruim", disse Campos.

No fim de 2016, a empresa virou alvo de críticas após ter chegado a anunciar que pretendia acabar com o e-Sedex, um serviço de encomendas expressas com preços menores, e que vinha enfrentando vários problemas operacionais.

Questionado, Campos negou que os Correios estejam planejando atualmente desativar qualquer serviço.

As declarações foram feitas depois que os Correios tentaram sem sucesso parceria de longo prazo para exploração de serviços do Banco Postal, que distribui serviços financeiros e tem sido uma fonte de receita adicional para a companhia nos últimos anos.

Os Correios esperavam licitar o serviço por mais uma década e receber 1,2 bilhão de reais. Em vez disso, a empresa fechou um contrato temporário com o Banco do Brasil, que explorou o serviço nos últimos cinco anos. O acordo prevê que o BB poderá ficar no serviço por mais 36 meses, pagando 5 milhões por mês mais um adicional por desempenho.

Em 2011, o BB havia vencido o leilão para um contrato de 5 anos com os Correios, com oferta de 2,3 bilhões de reais.

Reuters

Assuntos relacionados:

serviçoscorreiosect
Imprimir
Publicidade

Caderno Especial

Especial MPE 2017

Versão digital (22/08/2017)

Para assinantes Assine o jornal impresso e tenha acesso total à versão digital.
Versão digital do DCI
Clique e assine hoje mesmo
Publicidade

Nós curtimos

TVB Nova Brasil FM Rádio Central AM
Uma empresa do
© 2017. DCI Diário Comércio Indústria & Serviços. Todos os direitos reservados.