Serviços
03/10/2012 - 15h35

Metroviários de São Paulo decidem à noite se entram em greve a partir de amanhã

SÃO PAULO - Categoria reivindica PLR igual para todos os funcionários, redução da jornada de trabalho e igualdade nos salários

Agência Brasil

Metroviários decidem hoje se vão entrar em greve a partir da próxima quinta-feira (4)
Metroviários decidem hoje se vão entrar em greve a partir da próxima quinta-feira (4)
Foto: Divulgação

SÃO PAULO – Os metroviários decidem no início da noite desta quarta-feira (3) se farão greve a partir de amanhã. O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Metroviários e em Empresas Operadoras de Veículos Leves sobre Trilhos no Estado de São Paulo (Metroviários-SP) anunciou que apresentará em assembleia a proposta da Justiça do Trabalho de suspensão do movimento por 20 dias para negociação com o Metrô.

Além disso, a Justiça sugeriu a formação de uma comissão para discutir e viabilizar as questões relativas a Participação de Lucros e Resultados (PLRs), valores, prazos e forma de pagamento e estabelecimento de jornadas de trabalho. Os metroviários reivindicam PLR igual para todos os funcionários, redução da jornada de trabalho e igualdade nos salários. A ata da audiência foi divulgada pelo Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região.

Em audiência na segunda-feira com representantes do Metrô e do sindicato, a Justiça definiu que, se os metroviários entrarem em greve, serão obrigados a garantir o funcionamento integral das operações entre 6h e 9h e entre 16h e 19h, considerados horários de pico. No restante do dia, o funcionamento deverá ser de 90%. Em caso de descumprimento, está prevista multa de R$ 100 mil por dia.

Segundo informações do Metrô, a companhia está empenhada em evitar a paralisação, que considera inútil para a categoria e cruel para a população de São Paulo. “Tanto no âmbito judicial como no operacional, o foco da companhia é proteger o direito dos usuários”, diz o Metrô em nota. De acordo com o Metrô, caso ocorra a greve, 4 milhões de passageiros serão prejudicados, com reflexo negativo também para o trânsito da cidade.

O Metrô diz ainda que não se nega a negociar e que se orgulha de ser uma das empresas que têm a melhor média salarial do estado (R$ 4.060,00) e uma lista de benefícios para os empregados, além de PLR. A última greve no sistema de metrô paulistano ocorreu em maio.

Imprimir
Publicidade

Caderno Especial

Versão digital (24/11/2014)

Para assinantes Assine o jornal impresso e tenha acesso total à versão digital.
Versão digital do DCI
Clique e assine hoje mesmo
Publicidade

Nós curtimos

TVB Nova Brasil FM Rádio Central AM
Uma empresa das Organizações Sol Panamby
© 2014. DCI Diário Comércio Indústria & Serviços. Todos os direitos reservados.